quarta-feira, 10 de março de 2010

Sobre o leite - II



Dr. Wilson Rondó Junior

O leite, alimento destinado pela natureza a alimentar os jovens de cada espécie, é especialmente designado para o rápido crescimento das crianças. Nenhuma espécie de mamíferos consome leite na idade adulta. Para quase 25% das pessoas, a intolerância aos laticínios pode causar reações alérgicas, digestão pobre e o aparecimento de alteração de mucosa gastrintestinal. O organismo humano, em geral, não processa facilmente o leite de vaca, o creme de leite ou o queijo. Temos a tendência de ingerir em excesso esse tipo de alimento, o que provoca contínua e cumulativa tensão nos órgãos de excreção e no sistema venoso. Mesmo as pessoas que não apresentam sensibilidade aos laticínios reportam o aumento de energia a paparem de consumi-los. Por causa da alta taxa de gordura encontrada nesses alimentos, a diminuição de seu consumo significa redução proporcional efetiva na perda de peso, assim como a diminuição da pressão sangüínea e dos níveis de colesterol. Há dois elementos no leite e seus derivados que devem ser quebrados por enzimas orgânicas: lactose e caseína. A lactose é quebrada pela enzima lactase, e a caseína é quebrada pela enzima renina. Por volta dos 4 anos, a renina passa a não existir mais no trato digestivo, assim como a lactase numa parcela da população. Essa é a forma em que a natureza nos mostra o momento de descontinuarmos certos alimentos. A caseína é uma proteína do leite que se encontra trezentas vezes mais no leite de vaca do que no leite humano. Tem a consistência de cola, promovendo aderência de muco nas membranas celulares, especialmente no sistema respiratório. O corpo humano não possui mecanismo digestivo para degradar a caseína, promovendo o aumento de secreções, muco, irritações e obstruções do sistema respiratório, o que induz o aparecimento de asma, bronquites, sinusites, coriza, infecções de ouvido, etc.

O leite e seus derivados são os principais causadores de alergias. Os indivíduos com intolerância à lactose apresentam normalmente gases, distenção abdominal, cólicas e diarréia, que somem poucas semanas após a suspensão do leite e seus derivados. Cerca de 40% das crianças abaixo de 6 anos apresentam otite de repetição, associada ao leite de vaca. Há evidências de que bebês de até 6 meses que bebem leite de vaca tem incidência aumentada de diabetes Tipo I. De acordo com o médico Hans Michael Dosch, da Universidade de Toronto, uma das proteínas do leite é muito parecida com as moléculas da superfície das células Beta do pâncreas, que produzem insulina. Quando o sistem imunológico reconhece a proteína do leite como corpo estranho, ataca-a, e isso causa ataque similar às células Beta, destruindo sua habilidade de produzir insulina e eventualmente causando diabetes. O leite comercial é conhecido como o maior causador de deficiência de ferro em bebês, não sendo aconselhável o uso de leite de vaca antes do 1 ano de idade. Somando-se a isso, há o risco dos pesticidas, antibióticos e resíduos hormonais. Quanto mais gordurosos são o leite e seus derivados, mais se encontram os pesticidas, pois estes têm afinidade pela gordura.

Ao contrário do que diz a publicidade, os laticínios não são a melhor fonte de cálcio. A absorção é pobre por causa da pasteurização, do processamento, do alto teor de gordura e da relação de desequilíbrio quanto ao consumo de fósforo. Resíduos hormonais e aditivos encontrados nas pastagens do gado influem na incompleta absorção de cálcio e outros minerais. Em testes realizados com animais, os bezerros que foram alimentados com o próprio leite materno, mas primeiramente pasteurizado, não viveram mais do que seis semanas.

(trecho do livro “Prevenção: A Medicina do Século XXI”, Wilson Rondó Jr., São Paulo, SP, Editora Gaia, 2000 – páginas 52 e 53).

3 comentários:

Roberto C Lima disse...

Concordo plenanmente com esse texto. Se pensarmos que o homem é o único animal que continua bebendo leite depois de adulto, isso é motivo natural pra desconfiarmos que tem alguma coisa errada.

Bjs pra todos!

A e W disse...

Interessante o texto. Algo para refletir. Eu, por exemplo, tenho leve alergia a lactose ja comprovada, mas ao mesmo tempo, agora gravida, me mandam tomar bastante leite como fonte de calcio... Vai entender!

Anônimo disse...

Eu acho que as criancas aqui nos EUA (e possivelmente Brasil tb) sao muito estimuladas pelos pais a consumirem leite de vaca.

A pediatra do meu filho disse p/ que de leite de vaca p/ ele, mas eu tenho mantido o consumo no minimo e ja estava pensando em trocar para o leite de soja.

Depois de ler tudo isso, me convenci.

Muito obrigada pelo artigo!
Vou repassar para conhecidos...
bjos

Feeds

Visitantes online - Welcome!

lineflower_gif